Rain room: um (in)cômodo de chuva

Num cômodo onde chove torrencialmente, sensores detectam os visitantes, e interrompem a chuva localizadamente. Permitindo se atravessar a “chuva” sem se molhar.
Esta obra-de-arte interativa foi a mais visitada da história da Barbican em Londres.
Uma obra Randon International.

A experiência imersiva (na arte contemporânea) é uma instalação interativa. Arte baseada na experiência vivenciada e não no conhecimento contemplativo. Ou bem mais do primeiro (experiência vivenciada) e menos do segundo (conhecimento contemplativo).
Torna-se uma experiência dos sentidos. Borrando os limites entre arte e entretenimento.
Deixando de ser uma obra “objeto-espetáculo”: objeto tangível, objeto sublime.
Para se tornar uma experiência-espetáculo. Um buraco sensual e reflexivo.
Fazendo uma não-arte dentro da arte, ou uma arte dentro de uma não-arte do entretenimento.
Artretenimento.

rain room_w21mercurion

 

Conheça e curta a página da W21Mercurion no Facebook, onde assuntos ou temas que fazem parte (direta ou indiretamente) das nossas atividades: tecnologia, Internet, design, arte, fotografia, mídias sociais, mobile, tendências e comportamentos são citados a partir de fontes da Internet para formar um corpo coerente. Diferentes tempos, diferentes temas, diferentes fontes, conversando sincronicamente, organizados de forma singular mas permitindo uma leitura plural. Quase uma revista e possivelmente o mesmo conceito.
O conteúdo não é um ponto de partida mas um ponto de chegada.


Postado em Arte por computador, instalação, Interatividade, tendências e com a tag , , , em .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *