Arquivo mensais:janeiro 2014

Arte gerativa: arte feita por computador

Grid de ruidos ??? Holger Lippmann
Algoritmo que define de modo mais ou menos aleatório um conjunto de retículas em 2 dimensões. O algoritmo pode ser comandado seja por uma fonte de ruídos (por exemplo música) ou manualmente. Ou ainda de modo totalmente aleatório.

NoiseGrid_Holger Lippmann

 

Conheça e curta a página da W21Mercurion no Facebook, onde assuntos ou temas que fazem parte (direta ou indiretamente) das nossas atividades: tecnologia, Internet, design, arte, fotografia, mídias sociais, mobile, tendências e comportamentos são citados a partir de fontes da Internet para formar um corpo coerente. Diferentes tempos, diferentes temas, diferentes fontes, conversando sincronicamente, organizados de forma singular mas permitindo uma leitura plural. Quase uma revista é possivelmente o mesmo conceito.
O conteúdo não é um ponto de partida mas um ponto de chegada.

 


Postado em Arte por computador, Tecnologia e com a tag , em .

Sereias anos 50

As fotografias sub-aquáticas de Bruce Mozert.
O tempo deu a estas fotografias dos anos 50 um aspecto bizarro, onírico, uma sensualidade algo pervertida.
Afinal, hoje elas (as sereias, como se dizia) tem a idade das nossas mães ou avós.
Mas para a fotografia, que é imobilidade e tempo, o tempo não passa. Mas a percepção da forma, muda.

Bruce Mozert_w21mercurion

 

Conheça e curta a página da W21Mercurion no Facebook, onde assuntos ou temas que fazem parte (direta ou indiretamente) das nossas atividades: tecnologia, Internet, design, arte, fotografia, mídias sociais, mobile, tendências e comportamentos são citados a partir de fontes da Internet para formar um corpo coerente. Diferentes tempos, diferentes temas, diferentes fontes, conversando sincronicamente, organizados de forma singular mas permitindo uma leitura plural. Quase uma revista é possivelmente o mesmo conceito.
O conteúdo não é um ponto de partida mas um ponto de chegada.


Postado em Fotografia e com a tag em .

Ponto de fuga

Perspectiva e Luz pelo UVA (United Visual Artists).
Um espaço para (se vi)ver a ilusão do espaço.

A experiência imersiva (na arte contemporânea) é uma instalação interativa. Arte baseada na experiência vivenciada e não no conhecimento contemplativo. Ou bem mais do primeiro (experiência vivenciada) e menos do segundo (conhecimento contemplativo).
Torna-se uma experiência dos sentidos. Borrando os limites entre arte e entretenimento.
Deixando de ser uma obra “objeto-espetáculo”: objeto tangível, objeto sublime.
Para se tornar uma experiência-espetáculo. Um buraco (uma gruta) sensual e reflexiv(a)o.
Fazendo uma não-arte (entretenimento) dentro da arte, ou uma arte dentro da não-arte do entretenimento.
Artretenimento.

uva_w21mercurion

 

Conheça e curta a página da W21Mercurion no Facebook, onde assuntos ou temas que fazem parte (direta ou indiretamente) das nossas atividades: tecnologia, Internet, design, arte, fotografia, mídias sociais, mobile, tendências e comportamentos são citados a partir de fontes da Internet para formar um corpo coerente. Diferentes tempos, diferentes temas, diferentes fontes, conversando sincronicamente, organizados de forma singular mas permitindo uma leitura plural. Quase uma revista é possivelmente o mesmo conceito.
O conteúdo não é um ponto de partida mas um ponto de chegada.


Postado em Arte, instalação, Tecnologia e com a tag , em .

Esculturas de luz

As esculturas luminosas-vetoriais de Jason Haebich, que enchem espaços de formas e cores e sombras. O computador, o laser, a tecnologia sendo usados em lugar de telas, pincéis ou mármores.
Melbourne, Austrália.

A experiência imersiva (na arte contemporânea)  é uma instalação interativa. Arte baseada na experiência vivenciada e não no conhecimento contemplativo. Ou bem mais do primeiro (experiência vivenciada) e menos do segundo (conhecimento contemplativo).
Torna-se uma experiência dos sentidos. Borrando os limites entre arte e entretenimento.
Deixando de ser uma obra “objeto-espetáculo”: objeto tangível, objeto sublime.
Para se tornar uma experiência-espetáculo. Um buraco (uma gruta) sensual e reflexiv(a)o.
Fazendo uma não-arte (entretenimento) dentro da arte, ou uma arte dentro da não-arte do entretenimento.
Artretenimento.

 

Jayson Haebich_w21mercurion

 

Conheça e curta a página da W21Mercurion no Facebook, onde assuntos ou temas que fazem parte (direta ou indiretamente) das nossas atividades: tecnologia, Internet, design, arte, fotografia, mídias sociais, mobile, tendências e comportamentos são citados a partir de fontes da Internet para formar um corpo coerente. Diferentes tempos, diferentes temas, diferentes fontes, conversando sincronicamente, organizados de forma singular mas permitindo uma leitura plural. Quase uma revista é possivelmente o mesmo conceito.
O conteúdo não é um ponto de partida mas um ponto de chegada.


Postado em Arte, instalação, Tecnologia e com a tag , , em .

A luz é mobile ….

Fluidic
A escultura de luzes do Hyundai’s Advanced Design Center para a Semana de Design de Milão. Ela detecta visitantes e seus movimentos e os transforma em estruturas de luzes. Diferente a cada vez e a cada momento.
A experiência imersiva (na arte contemporânea) é uma instalação interativa. Arte baseada na experiência vivenciada e não no conhecimento contemplativo. Ou bem mais do primeiro (experiência vivenciada) e menos do segundo (conhecimento contemplativo).
Torna-se uma experiência dos sentidos. Borrando os limites entre arte e entretenimento.
Deixando de ser uma obra “objeto-espetáculo”: objeto tangível, objeto sublime.
Para se tornar uma experiência-espetáculo. Um buraco (uma gruta) sensual e reflexiv(a)o.
Fazendo uma não-arte (entretenimento) dentro da arte, ou uma arte dentro da não-arte do entretenimento.
Artretenimento.

fluidic_w21mercurion

 

Conheça e curta a página da W21Mercurion no Facebook, onde assuntos ou temas que fazem parte (direta ou indiretamente) das nossas atividades: tecnologia, Internet, design, arte, fotografia, mídias sociais, mobile, tendências e comportamentos são citados a partir de fontes da Internet para formar um corpo coerente. Diferentes tempos, diferentes temas, diferentes fontes, conversando sincronicamente, organizados de forma singular mas permitindo uma leitura plural. Quase uma revista é possivelmente o mesmo conceito.
O conteúdo não é um ponto de partida mas um ponto de chegada


Postado em Arte, instalação, Tecnologia e com a tag , em .

O Japão é POP

O Japão é (e sempre foi) POP

Katsushika Hokusai 1760 - 1849

Katsushika Hokusai
1760 – 1849

 

Conheça e curta a página da W21Mercurion no Facebook, onde assuntos ou temas que fazem parte (direta ou indiretamente) das nossas atividades: tecnologia, Internet, design, arte, fotografia, mídias sociais, mobile, tendências e comportamentos são citados a partir de fontes da Internet para formar um corpo coerente. Diferentes tempos, diferentes temas, diferentes fontes, conversando sincronicamente, organizados de forma singular mas permitindo uma leitura plural. Quase uma revista é possivelmente o mesmo conceito.
O conteúdo não é um ponto de partida mas um ponto de chegada

 


Postado em Arte, Ilustração, Pintura, Sem categoria e com a tag , , em .

Uma ilustração do outro mundo

O chinês Mu Pan e suas ilustrações literalmente do outro mundo.

C??es da mortalidade

C??es da mortalidade

Conheça e curta a página da W21Mercurion no Facebook, onde assuntos ou temas que fazem parte (direta ou indiretamente) das nossas atividades: tecnologia, Internet, design, arte, fotografia, mídias sociais, mobile, tendências e comportamentos são citados a partir de fontes da Internet para formar um corpo coerente. Diferentes tempos, diferentes temas, diferentes fontes, conversando sincronicamente, organizados de forma singular mas permitindo uma leitura plural. Quase uma revista é possivelmente o mesmo conceito.
O conteúdo não é um ponto de partida mas um ponto de chegada

 


Postado em Ilustração e com a tag em .

Qual o tamanho (e o perfil) da Internet/Web no Brasil?

  1. No. de internautas: mais de 84 milhões
  2. Mais de 43 milhões acessam por dispositivos móveis
  3. Classe social e escolaridade são as grandes barreiras ?? entrada
  4. Celulares são a porta de entrada
  5. Dispositivo móvel não significa só acesso na rua
  6. O acesso em casa ?? multi-telas
  7. 1 em cada 5 internautas (20%) compartilham experiências via Internet/Web, em tempo real
  8. 15% costuma ler livros digitais em lugar dos impressos
  9. Vovonautas: a navegação fica sónior

Fonte: F/Radar

http://pt.slideshare.net/2acesconteudo/pesquisa-fradar-13-fnazca-e-datafolha-20132014

41-milhoes-usando-internet-movel_w21mercurion

Conheça e curta a página da W21Mercurion no Facebook, onde assuntos ou temas que fazem parte (direta ou indiretamente) das nossas atividades: tecnologia, Internet, design, arte, fotografia, mídias sociais, mobile, tendências e comportamentos são citados a partir de fontes da Internet para formar um corpo coerente. Diferentes tempos, diferentes temas, diferentes fontes, conversando sincronicamente, organizados de forma singular mas permitindo uma leitura plural. Quase uma revista é possivelmente o mesmo conceito.
O conteúdo não é um ponto de partida mas um ponto de chegada


Postado em Internet/Web, Tecnologia e com a tag , em .

Sala p(l)ano

Textile Room
O Novo Esculturalismo РMuseu de Arte contempor̢nea РLos Angeles
Casey Reas+P-A-T-T-E-R-N-S+Divis??o de Fibras Comp??sitas da North Sails.
Uma obra que borra os limites entre hard e software, pano, plano e tecnologias,público e privado, geral e particular.

casey reas_textile_room_

 

 

 

 

http://reas.com/textile_room/

 

Conheça e curta a página da W21Mercurion no Facebook, onde assuntos ou temas que fazem parte (direta ou indiretamente) das nossas atividades: tecnologia, Internet, design, arte, fotografia, mídias sociais, mobile, tendências e comportamentos são citados a partir de fontes da Internet para formar um corpo coerente. Diferentes tempos, diferentes temas, diferentes fontes, conversando sincronicamente, organizados de forma singular mas permitindo uma leitura plural. Quase uma revista é possivelmente o mesmo conceito.
O conteúdo não é um ponto de partida mas um ponto de chegada


Postado em Arte, Arte por computador, Construtivismo, Tecnologia e com a tag , em .

Monstros do subterrâneo

Robert Gibson sob o pseudônimo de Roadsworth deixa marcas nas ruas.
“Se Wordsworth é o poeta das palavras (words), Roadsworth é o poeta das ruas (roads)”.

roadsworth_w21mercurion

 

Conheça e curta a página da W21Mercurion no Facebook, onde assuntos ou temas que fazem parte (direta ou indiretamente) das nossas atividades: tecnologia, Internet, design, arte, fotografia, mídias sociais, mobile, tendências e comportamentos são citados a partir de fontes da Internet para formar um corpo coerente. Diferentes tempos, diferentes temas, diferentes fontes, conversando sincronicamente, organizados de forma singular mas permitindo uma leitura plural. Quase uma revista e possivelmente o mesmo conceito.
O conteúdo não é um ponto de partida mas um ponto de chegada.


Postado em Street art / intervenções urbanas e com a tag em .