Fotografei a mim, na minha Rolleiflex, revelou-se a minha enorme exatidão.

A americana Vivian Maier foi babá de profissão e fotógrafa de coração e vocação (o que não descarta a possibilidade de que tenha sido tão boa no cuidar de crianças quanto foi boa em cuidar de enquadramentos).
Durante muitos anos (décadas) foi uma “street photographer” solitária. Nunca divulgou o seu trabalho. Que só foi descoberto, por acidente, após a sua morte.
Contemporânea de Robert Frank e antecessora de Lee Friedlander e Diane Arbus, suas fotografias têm uma enorme sintonia com as destes famosos.
Os seus auto-retratos têm um olhar original e intrigante, com um toque ingênuo típico desta época. Um testemunho da fotografia como imobilidade e tempo.

Vivian Maier_w21mercurion

 

 

Conheça e curta a página da W21Mercurion no Facebook, onde assuntos ou temas que fazem parte (direta ou indiretamente) das nossas atividades: tecnologia, Internet, design, arte, fotografia, mídias sociais, mobile, tendências e comportamentos são citados a partir de fontes da Internet para formar um corpo coerente. Diferentes tempos, diferentes temas, diferentes fontes, conversando sincronicamente, organizados de forma singular mas permitindo uma leitura plural. Quase uma revista é possivelmente o mesmo conceito.
O conteúdo não é um ponto de partida mas um ponto de chegada.

 


Postado em Fotografia e com a tag em .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *