Preto no branco

Se o hángaro Victor Vasarely pode ser considerado o pai da OP (Optical Art), a inglesa Bridget Riley seguramente é a mãe.
O rebento, descendente direto do construtivismo geométrico, sempre teve um pendor para o ilusionismo (frequentemente fácil, mas não só). Procurando enganar o olho e fazer a gente ver movimentos e profundidades que não existem. Ou será que existem?.

1963

1963

Conheça e curta a página da W21Mercurion no Facebook, onde assuntos ou temas que fazem parte (direta ou indiretamente) das nossas atividades: tecnologia, Internet, design, arte, fotografia, mídias sociais, mobile, tendências e comportamentos são citados a partir de fontes da Internet para formar um corpo coerente. Diferentes tempos, diferentes temas, diferentes fontes, conversando sincronicamente, organizados de forma singular mas permitindo uma leitura plural. Quase uma revista é possivelmente o mesmo conceito.
O conteúdo não é um ponto de partida mas um ponto de chegada.

 


Postado em Arte, Construtivismo, Geometria e com a tag , em .

Uma ideia sobre “Preto no branco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *