100 anos de música na história

Das cavernas decoradas com com mãos – onde “eu” existo como linguagem e como consciência, ao presente internético/cibernético/nuclear, passaram-se mais ou menos 200 gerações. Uma história que está escrita na pedra. Nas pedras (acontecimentos=histórias) que deixamos ao longo deste caminho. Produto de uma programação que busca autonomamente sempre sobreviver e dar continuidade à espécie, e que transforma todo o excedente de energia, em sexo, reprodução: perpetuação da espécie. Sem nenhum outro propósito aparente a não ser este. Deslumbrados e perplexos com esta mecânica, contamos e recontamos (recorrentemente) esta história. Nas cidades, na música, na pintura, no teatro, nos livros, no cinema. A arte é o produto deste incômodo.
O artista como a antena social da espécie, conta e reconta  as pedras do caminho, para um determinado tempo e geografia. Revelando um lado, ou lados, ainda não percebidos.
E que pôde ser feito, de forma minimalista, com 2 violões e 2 banquinhos
Num Expresso 2222
Que sai (agora), direto
De um bom sucesso
Prá depois.

 

CAE  SÃO PAULO 20/08/2015   CADERNO DOIS CAETANO VELOSO E GILBERTO GIL Caetano Velos e Gilberto Gil durante apresentação da turnê " Dois Amigos, Um Século de Música" no Citibank Hall,.  FOTO JF DIORIO /ESTADÃO

Conheça e curta a página da W21Mercurion no Facebook, onde assuntos ou temas que fazem parte (direta ou indiretamente) das nossas atividades: tecnologia, Internet, design, arte, fotografia, mídias sociais, mobile, tendências e comportamentos são citados a partir de fontes da Internet para formar um corpo coerente. Diferentes tempos, diferentes temas, diferentes fontes, conversando sincronicamente, organizados de forma singular mas permitindo uma leitura plural. Quase uma revista e possivelmente o mesmo conceito. O conteúdo não é um ponto de partida mas um ponto de chegada.

 


Postado em Arte, Cultura, música e com a tag , em .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *