Não, não e não – Cortázar para ler e ouvir no celular

2015 – 100 anos de Cortázar
Ultimo Round – 1969

hormiga

O Sr. Silicoso está completamente louco ao imaginar que vou dar-lhe uma formiga.
No momento não pede mais que uma, acreditando que vai convencer-me com sua modéstia, mas no princípio (no 22 de novembro à tarde) pedia muito mais, queria vários formigueiros, legiões de formigas, praticamente todas as formigas.
É um louco.
Não só não vou dar a formiga como tenho a intenção de passear diante da sua casa levando-a comigo para fazê-lo morrer de raiva. Vou proceder da seguinte forma: primeiro vou colocar minha gravata amarela, e depois vou escolher a mais esbelta e animada das minhas formigas, vou soltá-la para que passeie pela minha gravata. Será, portanto, um duplo passeio: eu indo e vindo em frente à casa do Sr. Silicoso e minha formiga indo e vindo pela minha gravata.
Eu disse um duplo passeio? Melhor, uma abertura infinita de passeios em espiral, porque enquanto a minha formiga passeia pela minha gravata, minha gravata passeia comigo, a Terra me passeia ao redor da eclíptica, e esta se passeia ao longo da galáxia, que por sua vez passeia ao redor da estrela Beta Centauro, enquanto neste mesmo momento o Sr. Silicoso, que pensa que está imóvel, se porá na varanda a tempo de ver a minha formiga perfeitamente desenhado com todas as pernas e antenas na minha gravata amarela, que lhe parecerá, pobre homem, uma espada flamejante.
Então, começará a soltar pela boca e nariz uma baba semelhante ao macramé, e sua esposa e filhas irão acudi-lo para fazer respirar sais e deitá-lo no sofá da sala de estar. Sala que eu conheço muito bem, depois de tantas noites passadas a beber chá quase frio, ao lado desta família ávida por insetos.

 

 

Conheça e curta a página da W21Mercurion no Facebook, onde assuntos ou temas que fazem parte (direta ou indiretamente) das nossas atividades: tecnologia, Internet, design, arte, fotografia, mídias sociais, mobile, tendências e comportamentos são citados a partir de fontes da Internet para formar um corpo coerente. Diferentes tempos, diferentes temas, diferentes fontes, conversando sincronicamente, organizados de forma singular mas permitindo uma leitura plural. Quase uma revista é possivelmente o mesmo conceito. O conteúdo não é um ponto de partida mas um ponto de chegada.


Postado em Sem categoria em .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *