Cristal com uma rosa dentro – Cortázar para se ler no celular

2015 – 100 anos de Cortázar
Ultimo Round – 1969
cristal com rosa1O estado que definimos como distração poderia ser de alguma maneira uma forma diferente da atenção, sua manifestação simétrica mais profunda que se situa num outro plano da psique; atenção dirigida desde ou através, inclusive até, este nível mais profundo.
Não é incomum que uma pessoa dada a esses tipos de distrações (o que é chamado ficar comendo mosca) na presença sucessiva de vários fenômenos heterogêneos crê instantaneamente na apreensão de uma unicidade deslumbradora.
Na minha condição habitual de comedor de mosca, isso pode acontecer por uma série de eventos iniciados pelo som de uma porta se fechando, que precede ou é sobreposto ao sorriso da minha mulher, a memória de uma ruela em Antibes e a visão de uma rosa em um vaso, desencadeie uma imagem diferente de todos os elementos parciais,
completamente indiferentes aos possíveis nexos associativos ou causais, e que propõem
– nesse momento fulgural, irrepetível e já passado, e obscuro –
a antevisão de uma outra realidade que para mim já foi ruído de porta, sorriso e rosa, se constitui em algo totalmente diferente na sua essência e significado.
Vale notar que a imagem poética é uma representação dos elementos da realidade usual articulada de modo a que o seu sistema de relações favorece essa antevisão de uma outra realidade. A diferença é que o poeta é o manejador involuntário ou voluntário, mas sempre intencional desses elementos (intuir a nova articulação, escrever a imagem), enquanto que na vivência de comedor de mosca, a antevisão ocorre de forma passiva e fatal: a porta bate, alguém sorri, e o sujeito padece de um estranhamento instantâneo.cristal com rosa2
Pessoalmente me inclino para as duas formas, a mais ou menos intencional e a totalmente passiva, e é esta última que me arranca de mim mesmo com maior e força a me projeta para uma perspectiva da realidade em que, infelizmente, eu não sou capaz de fincar pé e permanecer.
Notar no exemplo, que os elementos da série: – porta batendo – sorriso – Antibes – rosa – deixam de ser o que conotam estes respectivos termos, sem que se possa saber o que passam a ser.
A descolagem ocorre um pouco como o fenômeno de déjà vu: iniciada a série, digamos: porta – sorriso – o que se segue (Antibes – rosa -) passa a ser parte da imagem total e deixam de valer em tanto que “Antibes” e “rosa”, uma vez que os elementos desencadeantes (porta – sorriso) se integram na imagem constituída. É como se estar diante de uma cristalização fulgurante, e se a percebermos desenvolver-se temporalmente:
1) porta, 2) sorriso, algo nos assegura irrefutavelmente que é só uma questão de condicionamento psicológico ou mediação no contínuo do espaço-tempo.
Na realidade tudo acontece (é) a cada vez: a “porta”, o “sorriso”, e o resto dos elementos que formam a imagem se propõem como facetas ou elos, como um relâmpago articulante que coagula o cristal em um suceder sem estar na duração. Impossível de reter, posto que estamos dentro.
Fica uma ansiedade, um tremor, uma vaga nostalgia. Algo estava lá, quiçá tão perto.
E não resta mais do que uma rosa em seu vaso, neste lado, onde
a rose is a rose is a rose
e nada mais.

Cortázar - por Manja Offerhaus

Cortázar – por Manja Offerhaus

a rose is a rose is a rose
(Gertrude Stein)

E o que é o ar.
O ar é lá.
O ar é lá no que há no ar.
Por gentileza observem que tudo é de uma só sílaba e pois útil. Não produz sentimento, contém uma promessa, é um prazer, não necessita estímulo, é só.
O ar é só
Sim o ar é só
Só de que
O ar é só de ar.
Sim
O ar
É só
De ar.
(Gertrude Stein por Augusto de Campos)

Gertrude Stein - por Man Ray (1927)

Gertrude Stein – por Man Ray (1927)

Conheça e curta a página da W21Mercurion no Facebook, onde assuntos ou temas que fazem parte (direta ou indiretamente) das nossas atividades: tecnologia, Internet, design, arte, fotografia, mídias sociais, mobile, tendências e comportamentos são citados a partir de fontes da Internet para formar um corpo coerente. Diferentes tempos, diferentes temas, diferentes fontes, conversando sincronicamente, organizados de forma singular mas permitindo uma leitura plural. Quase uma revista e possivelmente o mesmo conceito.
O conteúdo não é um ponto de partida mas um ponto de chegada.

 

 

 


Postado em Literatura e com a tag em .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *