Vestir uma sombra – Cortázar para se ler no celular

2015 – 100 anos de Cortázar
Ultimo Round – 1969

vestir uma sombra

A coisa mais difícil é abordá-la, saber o seu limite, ali onde se confunde com a penumbra, ao borde de si própria. Escolhê-la entre tantas, afastá-la da luz de que toda sombra respira sigilosa, perigosamente. Começar então a vesti-la como que distraído, sem mover-se demasiadamente, sem assustá-la ou dissolvê-la: operação inicial onde o nada se esconde em cada gesto.

A lingerie, o transparente corpinho, as meias de seda que desenham uma ascensão sedosa até os músculos. Tudo ela consentirá em sua momentânea ignorância, como se acreditasse estar brincando com outra sombra, mas de repente se inquietará quando a saia cingir a sua cintura e sentir os dedos abotoando a blusa entre os seios, roçando a garganta que se alonga até perder-se num jorro obscuro.

Ela rechaçará o gesto de coroá-la com uma esvoaçante peruca loira (esta aura imprecisa rodeando um rosto inexistente!) e ter-se-á que apressar-se a desenhar a boca com a brasa de um cigarro, deslizar anéis e pulseiras para dar-lhe essas mãos com as quais resistirá inicialmente enquanto os lábios, apenas nascidos, murmuram a queixa imemorial de quem desperta para o mundo.

Faltarão os olhos, que brotarão das lágrimas, a sombra por si mesma completando-se, para melhor lutar, para negar-se. Inutilmente comovedora quando o mesmo impulso que a visitou, a mesma sede de vê-la conformar-se perfeita a partir do confuso espaço, comece a desnudá-la, a descobrir pela primeira vez sua forma que em vão busca proteger-se por trás de mãos e súplicas, mas consentindo lentamente na queda, num brilhar de anéis que rasgam o ar seus úmidos vaga-lumes.

Conheça e curta a página da W21Mercurion no Facebook, onde assuntos ou temas que fazem parte (direta ou indiretamente) das nossas atividades: tecnologia, Internet, design, arte, fotografia, mídias sociais, mobile, tendências e comportamentos são citados a partir de fontes da Internet para formar um corpo coerente. Diferentes tempos, diferentes temas, diferentes fontes, conversando sincronicamente, organizados de forma singular mas permitindo uma leitura plural. Quase uma revista e possivelmente o mesmo conceito.
O conteúdo não é um ponto de partida mas um ponto de chegada.

 


Postado em Internet/Web, Literatura em .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *